De novo a história das sereias*

Esta semana no Brasil deve reprisar o famigerado docuficção “Sereias” (Mermaids: A Body Found) no Animal Planet, sobre o qual já havia comentado (“De dragões à sereias”), e que já havia reprisado, cerca de duas semanas atrás, nas TVs dos EUA. Mais uma vez várias pessoas caíram na lorota e não perceberam que esse, assim como o outro sobre Dragões (“Dragons: A Fantasy Made Real“), são apenas encenações que procuram mostrar o que aconteceria caso essas criaturas existissem de fato. Os cientistas descritos em ambos os programas não existem e não há quaisquer trabalhos sobre os ‘fatos’ relatados nesses programas de TV publicados em qualquer periódico científico.

Após a exibição da reprise do programa da sereias, vários cientistas se manifestaram, inclusive biólogos marinhos (Deep Sea News e Brian Switek), chocados com a falta de cuidado do Animal Planet e dos produtores do programa de TV. O pior de tudo é que, assim como o CDC – que havia criado uma página usando o tema Zumbi para prevenir as pessoas para as estratégias para sobreviver a epidemias normais (Veja “Apocalipse Zumbi – O CDC está preparado, mas vc está?”), mas depois dos incidentes em Miami teve que emitir uma nota, em resposta a um e-mail de um jornalista do Huffington Post, avisando que não existem evidências de vírus ou patógenos que transformem as pessoas em zumbis ou os façam comportarem-se de maneira semelhante – o NOAA, que é amplamente citado no “Sereias” – e foi a instituição que gravou o Bloop que inspirou todo o roteiro do especial, juntamente com a hipótese pseudocientífica do ‘Macaco Aquático‘ – também acabou emitindo uma nota de esclarecimento que segue em tradução minha:

_____________________________________________________

Sereias – os meio-humanos, meio-peixe ‘sirênios’* do mar – são criaturas marinhas lendárias narradas em culturas marítimas desde tempos imemoriais. O poeta épico grego Homero escreveu sobre elas em a Odisséia. No antigo extremo Oriente, as sereias eram as esposas dos poderosos dragões do mar, e serviam como mensageiros de confiança entre seus cônjuges e os imperadores em terra. Os povos aborígines da Austrália chamam as sereias yawkyawks – um nome que pode referir-se às suas músicas hipnotizantes.

[Rendição de artista do século 19 das sereias no mar]

A crença em sereias pode ter surgido no alvorecer de nossa espécie. Figuras femininas mágicas aparecem pela primeira vez em pinturas rupestres no final do período Paleolítico (Idade da Pedra) cerca de 30.000 anos atrás, quando os humanos modernos ganharam o domínio sobre a terra e, presumivelmente, começaram a navegar pelos mares. Criaturas meio-humanas , chamadas quimeras, também abundam na mitologia – além de sereias, haviam os sábios centauros, sátiros selvagens e os assustadores minotauros, para citar apenas alguns.

Mas são as sereias de verdade? Nenhuma evidência de humanóides aquáticos jamais foi encontrada. Por que, então, eles ocupam o inconsciente coletivo de quase todos os povos marítimos? Essa é uma pergunta melhor deixada para os historiadores, filósofos e antropólogos. ” (Nota do NOAA via Pharyngula)

___________________________________

Já estou antecipando as pessoas jurando de pé junto que isso tudo é verdade e que os céticos estão em um complô para calar a mídia. Infelizmente, muita gente prefere apegar-se a este tipo de ilusão, não se aprofundando o suficiente nas informações para reconhecê-la como tal, ao invés de realmente investigar a fundo de maneira sistemática e cuidadosa o que está a nossa volta e assim descobrir o tanto de coisas que realmente não compreendemos e tentar, a partir daí, aprender, de verdade, sobre elas.

———————————————-

Update: 27 de outubro de 2013.

Como muitas pessoas após as reprises dos programas sobre sereias do Animal Planet, caem nesta página, lembro que existem outros posts, até mais recentes do que este, sobre o mesmo tema com mais informações: “E eu vos apresento: o ‘Bloop’ (Verdadeiro e o Falso)*”, “Lá vamos nós de novo: As incansáveis sereias que não morrem jamais”, “Sobre sereias, goblins de metal e jogos de Pimball/RPG: As muitas vidas do ‘Dr Paul Robertson’. Neste último post revelamos a identidade do ator que faz o ‘Dr Paul Robertson’ que é mais conhecido por sua carreira como roteirista e diretor de criação de jogos.

_________________________________

*Publicado no Blog do GIQ

**Em inglês existem os dois termos ‘mermaid‘ (de várias mitologias, especialmente as nórdicas, mas cujo nome vem do Inglês antigo) e ‘siren‘ (da mitologia grega) que em português são ambos traduzidos como “sereia” por isso forcei um pouco a barra e usei o termo ‘sirênio’ que normalmente seria mais indicado para falar dos manatins e peixes-bois (Sirenia), um grupo de mamíferos aquáticos que podem ter ajudado a criar as lendas das sereias.

About these ads
This entry was posted in esquisitices, Pseudociências, Uncategorized and tagged , , . Bookmark the permalink.

41 Responses to De novo a história das sereias*

  1. E aí, meu caro Rodrigo. Achei este teu blog, lendo um comentário no Ceticismo Aberto. Aliás, o que é aquilo? Apinhado de crentes que se fazem ateus, cujas preferências por UFOs, fantasmas, vida após a morte me embrulhou o estômago. Mas, crença é crença e o país é democrático.
    Vou acompanhar o teu blog e logo estarei estreando um, de divulgação científica.
    Abraços

    • rodveras says:

      Oi, Alexandre! Bem vindo! Sobre o CA vc se refere aos comentaristas, não é? O trabalho do Kentaro Mori o responsável pelo CA é excelente, mas tenho pena dele por causa do tipo de gente que as matérias dele atraem. O caso do pessoal do ‘Eram os Deuses astronautas?’, PaleoSETI/DI é um desses exemplos tristes. Vou seguir seu blog também.

      Abraços,

      Rodrigo

    • Bem vindo, Alexandre. Quando estrear o seu blog põe o link aqui que eu divulgo.

  2. rodveras says:

    Vou aguardar.

    [ ]s
    Rodrigo

  3. Estou colocando no ar a partir de amanhã, dia 01. O endereço é http://www.olhardaciencia.wordpress.com

  4. gdgd says:

    é verda seu manes eles existem

    • rodveras says:

      Imagino que vc tenha tentado dizer ‘mané’ e não ‘manes’. É sempre interessante ler comentários construtivos, críticos e empiricamente embasados como este.:)

      • daniel serra says:

        Então me explica o que era aquele animal no vídeo do submarino?? Uma Foca?? um peixe boi?? Me poupe. Vcs céticos criticam tanto os lúcidos que acreditam mas não vi nenhum fato, argumento ou prova que contradiz nenhuma das evidencias apresentadas.
        E o mais engraçado é vcs que não acreditam em nada, acreditam no governo, chega a ser piada.

      • rodveras says:

        Eu acho que vc não leu o texto do meu post e nem o outro post sobre o tema, não é?

        http://calmariatempestade.wordpress.com/2013/05/29/la-vamos-nos-de-novo-as-incansaveis-sereias-que-nao-morrem-jamais/

        Vamos lá, então:

        “Então me explica o que era aquele animal no vídeo do submarino?? Uma Foca?? um peixe boi??”

        Daniel, o programa é ficção. Ao final é dito exatamente isso, apenas de maneira um pouco ambígua, mas não o suficiente para que alguém mais atento continue achando que as cosias veiculadas ali são imaginação, com exceção de um ou outro detalhe, mesmo assim apresentados de maneira muito fantasiosa (Veja por exemplo o Bloop: http://calmariatempestade.wordpress.com/2012/07/01/e-eu-vos-apresento-o-bloop-verdadeiro-e-o-falso/).

        Os ‘pesquisadores’ que ali aparecem não existem, são todos atores e as imagens das ‘sereias’ todas feitas com CGI e/ou efeitos especiais mais convencionais, como maquiagem e próteses. [Tente procurar informações sobre o 'cientista' Dr. Torsten Schmidt, seu submersível, suas expedições, seu currículo, instituição de pesquisa etc] Além do mais, existe toda uma questão de ônus da evidência que você não parece compreender. São as pessoas que acreditam que o programa do AP é um programa real, com cientistas reais e com evidências reais que precisam mostrar que este é o caso. Lembre-se cientistas apresentam novas evidências, em primeiro lugar, aos seus pares, outros cientistas especializados no assunto, antes de divulgarem para todo mundo. É preciso validar novas descobertas de maneira rigorosas, especialmente se ela é muito extraordinária. Então, é vc que precisa mostrar que essas pessoas existem e não são meros atores e que essas filmagens são reais e não mera ficção televisiva.

        Cientistas não expõem suas evidências deste porte dessa maneira. Eles geralmente fazem isso por meio de publicações acadêmicas, especialmente artigos técnicos especializados, escritos em periódicos indexados revisados por pares, ou pelo menos em congressos da área de pesquisa relevante. E quando querem dirigir-se a um publico mais amplo realizam conferências de imprensa e comunicam-se com vários meios de comunicação ao mesmo tempo.

        Como eu disse, nos próprio programas é mencionado que ele são ficcionais e que as pessoas ali mencionadas não existem e as instituições não têm nada a ver com a questão. O problema é que estes desmentidos aparecem muito rapidamente e são fraseados de uma maneira um tanto ambígua.

        “Me poupe. Vcs céticos criticam tanto os lúcidos que acreditam mas não vi nenhum fato, argumento ou prova que contradiz nenhuma das evidencias apresentadas.”

        Entenda bem. Não há qualquer corpo ou resto biológico da natureza sugerida, evidência ou novos indícios. Você claramente não foi tentar verificar as fontes, as ditas evidências e nem prestou muita atenção nos desmentidos e avisos que aparecem no próprio programa.

        Esse é o problema seu e de muita gente. Simplesmente acreditam nisso por estão propensos a tal, mas não esforçam-se em aprofundar-se na questão.

        “E o mais engraçado é vcs que não acreditam em nada, acreditam no governo, chega a ser piada.”

        Você está completamente enganado. Eu acredito em muitas coisas, mas minhas crenças são proporcionais a quantidade, qualidade e rigor das evidências disponíveis. Sou aberto a mudar de opinião. Inclusive nestes casos de alegações extraordinárias, eu até gostaria que muitas delas fossem verdade, mas não me deixo levar por meus desejos e pela empolgação com supostas revelações fantásticas. Preciso, para mudar de opinião, de evidências rigorosas e que eu possa examinar de maneira crítica e mais aprofundada.

        Além disso, eu não acredito ou desacredito nos governos a priori. Eu procuro me informar primeiro antes de emitir opiniões e quando o faço, procuro deixar claro quando estou mais convicto delas (explicando o porquê disso) ou quando são apenas minhas especulações. Piada (uma piada triste, aliás) é acreditar em qualquer coisa que se vê na TV, sem nem ao menos investigar mais a fundo.

        O ponto mais importante, no entanto, é que não há quaisquer evidências de uma conspiração do governo, pois os dois programas sobre as sereias são ficcionais, apenas usaram o formato de documentário e programa de notícias como forma de estruturar a narrativa. A alegação de uma conspiração faz parte do da trama e da estrutura narrativa desses programas. São ‘docuficções’!

        Pense bem. Caso houvesse uma conspiração desse porte, vc acha realmente que o Animal Planet (e só ele) conseguiria dar esse furo. Em tese os conspiracionistas (não só dos EUA, mas de vários governos do mundo) conseguiram ocultar as evidências originais (o corpo, as amostras de tecido e de DNA, os relatórios científicos, as imagens de tomografia etc), sumir com os dados pessoais dos cientistas que ‘apareceram’ nos dois programas (inclusive fazendo alguns dos quais tornarem-se atores com mais filmes e produções em vídeo nas costas: http://www.youtube.com/watch?v=xuYx-Cy8ExA), além silenciar os colegas destes cientistas que trabalhavam nas instituições que foram citadas. Porém, mesmo assim não conseguiram calar o corajoso Dr Paul Robertson e os responsáveis pelo AP.

        Uma postura cética não é antitética a pesquisa e a investigação, muito pelo contrário. Ela é a base de qualquer curiosidade e iniciativa de investigação honesta que não queira cair nas armadilhas do ‘wishfull thinking’, do viés de confirmação, da nossa capacidade de desconsiderar evidências que destoem de nossas expectativas e de outras tendenciosidades humanas que nos fazem sermos mais facilmente iludidos.

        Grande abraço e obrigado por comentar,

        Rodrigo

      • Acabei de fazer um novo post sobre o tema:

        Aos interessados apresento “Sobre sereias, goblins de metal e jogos de Pimball/RPG: As muitas vidas do ‘Dr Paul Robertson’:

        http://calmariatempestade.wordpress.com/2013/10/25/sobre-sereias-goblins-de-metal-e-jogos-de-pimballrpg-as-muitas-vidas-do-dr-paul-robertson/

        Desculpem a que realmente acreditou sinceramente nesta presepada do AP, mas acabei sucumbindo ao sarcasmo. Não me levem a mau. Não acho que as pessoas que caíram nesta armadilha são ignorantes, mas acho sim que muitas delas tem ‘boa fé’ demais quando o que é divulgado vai ao encontro das suas expectativas e anseios e as enche de maravilhamento. Porém acredito que isso é contraprodutivo e até perigoso. Por favor, desconfiem. Exerçam o ceticismo de maneira saudável e engajada. Pode ser frustrante em muitas situações, mas o que sobreviver ao escrutínio crítico e sistemático estará em bases muito mais sólidas.

        Abraços a todos,

        Rodrigo

  5. Ademir says:

    é legal quando alguem se da o trabalho de desmascarar os mestres da mentira de Hollywood…

  6. LG says:

    Puxa Rodveras… vc tem mesmo a cabeça de um cientista. Respondeu ao comentário de gdgd assinalando a falta de acento em “mané” e esqueceu que ele não completou a palavra “verdade”.
    Uma criatura assim, cometendo erros de tamanha proporção receber sua atenção chega a ser comovente. O que foi? Sua agenda abriu um espaço para atender os “manés”?
    Meu caro, eu não sei se o documentário era falso ou verdadeiro, mas sei que teve uma argumentação bastante convincente. Não há ali nenhuma crendice esotérica. E sua resposta a tudo que ali é exposto, se limita a dizer entrelinhas que quem acredita é idiota.
    Em que, empiricamente embasado (como do seu gosto falar), vc chega a tal conclusão?
    Por favor desconstrua o programa com a mesma solidez com a qual ele foi feito e depois terei prazer em aceitar ou não seus argumentos. Eu e todos os manés que se interessaram pelo assunto, estamos aqui para lhe ouvir, oh grande bípede terráqueo, único ser pensante do universo…
    Não se esqueça porém que Governo ocultar fatos e provas é a coisa mais comum desde que a mentira e os interesses se mostraram eficientes….ou eu sou mané de não acreditar no governo? Portanto, o assunto merece a sua magnânima atenção e o respeito a nossa pouca inteligência, com pelo menos um (UM) argumento cientifico de valor correspondente…..
    (Não se limite a dizer que é mentira…prove)

    • rodveras says:

      Vc força a barra ao sugerir que eu trato quem acreditou na veracidade do documentário como sendo idiota, usando para isso somente o fato de eu ter corrigido um termo usado por um dos comentaristas. Isso é simplesmente ridículo e mostra o quão desesperado vc está para tentar me transformar em uma espécie de vilão. O que acho é que as pessoas são muito desinformadas especialmente sobre questões envolvendo a investigação científica e tremendamente tendenciosas em relação a aceitar o que é fantástico, preferindo acreditar em teorias conspiratórias ao invés de simplesmente fazer algumas verificações básicas de fatos. Esta credulidade não transforma as pessoas em idiotas, mas pode comprometer o julgamento e discernimento delas sim. Tudo o que fiz, sendo biólogo e apaixonado por biologia evolutiva, história natural e vida marinha, foi chamar a atenção para os problemas do programa do AP e do excesso de credulidade de muitas pessoas que assistiram-no e comentaram sobre ele.

      Algumas coisas no seu comentário me sugerem que você nem leu direito o que escrevi. Por exemplo, quer dizer que o fato de não haverem quaisquer evidências reais de que sereias existem, do tipo apresentadas no programa, não é suficiente para abalar sua confiança nele, é isso? Vc leu os outros posts que escrevi sobre o tema? Vc foi aos links que disponibilizei? Vc, por acaso, os leu? Vc leu os desmentidos do NOOA? Vc foi tentar se informar sobre a hipótese do macaco aquático e por que ela é tida como pseudocientífica? Vc foi aos sites das instituições mencionadas no programa e procurou os supostos pesquisadores, que teriam estudado as amostras do suposto cadáver de sereia, em seu quadro de professores e funcionários? Se foi, vc realmente acredita que eles todos foram eliminados dos registros das universidades e instituições de pesquisa onde teriam trabalhado? Vc, por acaso, tentou achar algum trabalho publicado em periódicos indexado e revisado por pares dos mesmos em bancos de artigos científicos públicos? Se o fez, vc acha que esses trabalhos, supostamente desenvolvidos durante carreiras de décadas e possivelmente em colaboração com vários colaboradores, também teriam sido apagados dos registros? Caso, mesmo depois de ter feito o seu dever de casa e responder as perguntas que eu fiz, vc ainda achar que o documentário é baseado realmente na descoberta de um novo tipo de primata, aquático, e que inspirou as lendas de sereias, vc faz isso apenas por conta de fé.

      Desculpe, mas não tenho como levar vc a sério. Vc não oferece nada além de uma opinião vaga e sem nenhum apoio em evidências. Vc não parece ter ido atrás das coisas que indiquei e mesmo assim me acusa de não ter embasamento. Como vc poderia saber disso, então, se não foi verificar o que eu (e vários outros) disseram sobre a não factualidade de boa parte das alegações e supostas evidências do programa? Vc quer que eu ‘prove’ que o programa é ficção, mas ignorou tudo que mostrei e para o que ‘linkei’ neste e em outros posts e nas respostas aos comentários sobre eles. Vc parece não perceber que o ônus, frente a total falta de evidências de que a história seja real, é todo seu e de quem acredita nela.

      Pior ainda, vc afirma que achou o programa com ‘argumentação bem convincente’, mas não específica nenhum dos tais ‘bons argumentos’ que teriam sido apresentados e nem o que vc fez para se certificar disso. Eu não me importo se vc continue acreditando na possibilidade que sereias existam, mas me importo com o fato de um canal supostamente de divulgação científica, mesmo que bem intencionado, tenha feito um programa que parece dar apoio a esta possibilidade, quando de fato as evidências apresentadas são pura ficção. Este é o problema.

      O fato deles montarem uma argumentação (superficialmente) plausível (na realidade, existem vários problemas, especialmente com o fato das tais sereias serem ‘magras’ demais e não terem os característicos depósitos de gordura de mamíferos marinhos) não serve de evidência para a realidade da história, ela foi feita apenas para mostrar certos métodos e princípios gerais dos quais valem-se os cientistas para tentar compreender e estudar espécimens novos. Infelizmente, por causa da forma sensacionalista que o programa foi feito, esta parte, que era realmente informativa, ficou em segundo plano e muitas pessoas acabaram por acreditar que a história de cientistas achando um corpo de sereia era a realidade. Isso é triste e em grande parte culpa dos produtores do programa.

      Além disso, é bom registrar mais uma vez que os realizadores do programa não afirmam que ele é verdadeiro, apenas não dizem que ele não o é com todas as letras, e este é o problema. Nenhuma das supostas evidências apresentadas é real, as únicas coisas que realmente são verdadeiras são o famoso bloop, mas que não é o som que foi apresentado no programa, sendo na realidade um som muito mais simples e que se acredita ter origem geológica, e o encalhamento de baleias associado a suspeita de uso de sonares pela marinha, mas o encalhamento ali relatado em particular jamais ocorreu.

      O programa baseia-se em uma premissa do tipo “What if” e a desenvolve nesta forma de ‘docuficção’. A questão é que ele não deixa claro que foi assim que foi feito e isso é desinformação intencional. Não tenho nada contra usar ficção para ilustrar pontos sobre história natural e nem para explicar como os cientistas trabalham e chegam a certas conclusões, mas acho que é importante deixar claro o que é fato bem estabelecido e o que não é, o que é liberdade criativa e o que é especulação.

      • Marco says:

        Eu não afirmo q sejam verdadeiras as alegações, mas fechar os olhos para uma possibilidade e deixar de fazer perguntas é “involuir”.

        Existe uma teoria, pouco trabalhada e em boa parte pelos motivos alegados, mas o fato é que existem cientistas sérios q acreditam na teoria do macaco aquático (o que não valida a existência de sereias).

        http://www.mundodrive.com/2012/08/teoria-dos-primatas-aquaticos-e-o-caso-da-sereia-da-africa-do-sul.html

        O fato é que por muitas vezes, nós como humanidade, estávamos certos e convencidos de realidades impostas e totalmente equivocadas, não somos o centro do universo, não é o sol q gira em torna da terra (q por sinal não é quadrada), mulheres pensantes não são bruxas e toda uma espécie não surgiu de um casal q curte maçãs.

        Ceticismo é ótimo, não nós devia das evidências em detrimento de fanatismos ilógicos, mas questionar e aceitar possibilidades foi sem duvida preponderante para que nos tornássemos a espécie dominante deste planeta.

        Não sei se acredito em sereias, mas é fato q não exploramos qse nada nossos oceanos e não me surpreenderia se descobríssemos uma espécie pensante em suas profundezas.

        De qq maneira respeito o seu texto, bem escrito e com bons argumentos, só creio q pecou um pouco em sugerir q acreditar nisso é uma “ilusão”… é algo q mesmo pouco provável ainda é possível, afinal, “existem mais coisas entre o céu e a terra do que sonha nossa vã filosofia”.

      • rodveras says:

        “Eu não afirmo q sejam verdadeiras as alegações, mas fechar os olhos para uma possibilidade e deixar de fazer perguntas é “involuir”.”

        Sua resposta mostra mesmo que vc não se deu ao trabalho de ler com atenção o que eu escrevi. Ao criticar as supostas evidências para a existência de sereias apresentadas no programa (que por sinal nem afirma que são reais, apenas é montado de um jeito que faz sua natureza fictícia ser obscurecida), chamando a atenção para o fato delas serem fictícias (como é possível verificar por pesquisa pela internet), eu não estou a negar a possibilidade da existência de tais seres. Este é um simples ponto de lógica.

        “Existe uma teoria, pouco trabalhada e em boa parte pelos motivos alegados, mas o fato é que existem cientistas sérios q acreditam na teoria do macaco aquático (o que não valida a existência de sereias).

        http://www.mundodrive.com/2012/08/teoria-dos-primatas-aquaticos-e-o-caso-da-sereia-da-africa-do-sul.html

        Eu conheço a teoria do macaco aquático e forneci links sobre os problemas dela e por que ela é considerada altamente especulativa, sendo desprovida de evidências, e considerada por boa parte dos antropólogos, primatologistas e biólogos evolutivos, que a analisaram e investigaram as práticas de muitos dos seus defensores, como uma deia pseudocientífica. De novo, para ficar bem claro, isso não é o mesmo que negar a possibilidade e nem mesmo ser contra que se investigue mais afundo esta ou qualquer outra ideia. Apenas é uma constatação do status desta teoria atualmente na comunidade científica e os problemas de apresentá-la sem explicar seus problemas. Caso melhores argumentos e evidências adequadas que apoiem esta ideia venham a surgir, tudo isso mudaria de figura. Claro! O que não dá para fazer é tratar ideias especulativas e sem evidências empíricas adequadas, e que dependem de um alto nível de equivocação para parecerem por ‘plausíveis’, como estando em pé de igualdade com os modelos, cenários e hipóteses sobre a evolução humana que são de fato apoiados por evidências e desenvolvidos mais extensamente por vários grupos de cientistas pelo mundo.

        “O fato é que por muitas vezes, nós como humanidade, estávamos certos e convencidos de realidades impostas e totalmente equivocadas, não somos o centro do universo, não é o sol q gira em torna da terra (q por sinal não é quadrada), mulheres pensantes não são bruxas e toda uma espécie não surgiu de um casal q curte maçãs.”

        O trecho acima é só divagação irrelevante e não entra na substância dos meus argumentos.

        “Ceticismo é ótimo, não nós devia das evidências em detrimento de fanatismos ilógicos, mas questionar e aceitar possibilidades foi sem duvida preponderante para que nos tornássemos a espécie dominante deste planeta”.

        Vc parece não compreender ou pelo menos parece não querer aceitar a natureza do ceticismo, como modernamente encarado, que implica em tentar guiar nossas crenças por meio das melhores evidências disponíveis, da adequação do métodos que tais evidências foram obtidas e da cogência dos argumentos envolvidos na análise da questão. Não há rejeição de possibilidades, como tais, mas há sim julgamento de sua plausibilidade relativa e portanto de sua probabilidade. Mais uma vez, em nenhum momento neguei a possibilidade em si e nem o direito de se especular e usar a licença artística como forma de testar cenários alternativos, eu mesmo afirmei que não me oponho a isso. O que fiz questão de deixar claro é que o programa do AP não trazia evidências em favor da factualidade da existência das sereias, o que foi motivado por muitos comentários de pessoas que achavam realmente que a história do achado do cadáver de sereia, da conspiração do governo dos EUA e os ‘cientistas’ que ali apareciam, eram todas reais. Critiquei o fato do programa que teoricamente se destinava a informar, na realidade, acabar por criar grande confusão e alimentar ideias falsas.

        ‘Não sei se acredito em sereias, mas é fato q não exploramos qse nada nossos oceanos e não me surpreenderia se descobríssemos uma espécie pensante em suas profundezas”.

        Vc pode achar o que quiser, mas sem evidências qualquer especulação é só isso mesmo, especulação. De novo, meu problema não é com a questão das possibilidades, mas com a questão das evidências sobre a factualidade e razoabilidade de certas ideias e hipóteses.

        ‘De qq maneira respeito o seu texto, bem escrito e com bons argumentos, só creio q pecou um pouco em sugerir q acreditar nisso é uma “ilusão”… é algo q mesmo pouco provável ainda é possível, afinal, “existem mais coisas entre o céu e a terra do que sonha nossa vã filosofia”.’

        Embora, acreditar em sereias possa não ser uma ilusão em si, sendo apenas um exercício de especulação e de imaginação e mesmo um sinal de abertura a novas ideias, acreditar que o programa do AP é factual e realmente narra a descoberta e estudo de um corpo de sereia é sim uma ilusão. Realmente, parece que você não leu direito o que escrevi ou não quis compreender, talvez, por ter se sentido tolido em sua imaginação, mas nada do que eu escrevi precisa (e nem deve) necessariamente ser lido desta forma, pois como afirmei, eu me detive na questão da confusão sobre a factualidade dos eventos narrados no programa e do status da hipótese em que ele foi baseada dentro na comunidade científica. Eu nem ao menos afirmei que sereias não existem, embora seja claro que não existem evidências cientificas em favor desta possibilidade e hajam bons motivos para se pressupor que o tipo de sereia que é descrita no programa não deva realmente existir (e muito menos a mitológica), como fiz alusão ao comentar sobre a questão da distribuição da gordura corporal e de outras características que destoam bastante do que esperaríamos baseado no que conhecemos sobres mamíferos aquáticos, questões essas que simplesmente não foram comentadas no programa, o que teve por efeito fazer o conceito em si de sereias como primatas aquáticos parecer muito mais plausível do que realmente ele era. Claro, posso estar errado e na realidade ficaria muito feliz de estar errado, pois seria fantástico descobrir e estudar uma criatura assim. A diferença é que eu não confundo uma possibilidade excitante com evidência para a realidade desta possibilidade.

        Atenciosamente,

  7. Laís says:

    Marco, estou com vc! esse Rodveras só escreveu o que está na cabeça dele…. deixa ele!

    • rodveras says:

      Seria bizarro se eu escrevesse o que estava na cabeça de outra pessoa, não é?

      Bom, o que eu falei pode ser facilmente confirmado, especialmente visitando os sites das instituições acadêmicas citadas no programa e as bases de dados de artigos científicos. Basta procurar pelos supostos cientistas que teriam participado do programa e por seus artigos. Além do mais, o próprio programa, no final, afirma que aquilo é em grande parte ficcional, apenas não deixa claro o que é e o que exatamente não é ficção. Este é o problema. A imensa maioria do conteúdo do programa é só ficção, baseada em: a) exageros e distorções sobre certos fenômenos reais, como o bloop, b) em uma teoria especulativa sobre a evolução humana que é tremendamente problemática e destituídas de evidências em seu favo; e c) em nosso conhecimento sobre história natural, comportamento, ecologia, fisiologia e biomecânica de primatas e mamíferos aquáticos, principalmente cetáceos. Esta última parte é a que deveria ter sido a mais interessante do programa, mas, infelizmente, a maioria das pessoas não parece ter dado muita atenção a ela.

      As criaturas altamente inteligentes que co-habitam este mundo conosco são os cetáceos e os demais primatas e é neles que deveríamos concentrar nossas preocupações e mesmo nossas considerações éticas e não em criaturas imaginárias que só foram usadas no programa para efeito de dramatização e para prender a atenção do telespectador.

  8. Julio Cesar says:

    Ontem, novamente, foi reprisado este programa e Novamente eu o vi, mas desta vez com mais atenção do que excitação.
    Tudo o que Eu pude ler sobre o assunto Eu o fiz, sinceramente, não cheguei a conclusão nenhuma.
    Fico pensando na desinformação que existe em torno dos OVINIS e isso me deixa consternado. Alguns cientista dizem que “Eles existem” e outros “É apenas uma esteria coletiva” e esses são pessoas sérias e conhecidas, os Governos em sua maioria Oculta ou simplesmente desconhece o fato. Sem falar nas religiões, que nem vale a pena citar.
    Mas voltando as “Sereias”, existem pinturas, histórias escritas e faladas por todo o Globo sobre elas. O mar ainda continua sendo uma fronteira para nós, sabemos mais sobre Marte. Existem animas Marinhos sendo catalogados até hoje. Até meados dos ano 70 os cientista juravam não haver vida nas Profundezas Oceanicas(8 mil metros abaixo d’agua), já chegaram a 10.900mts e encontraram vida.
    Sei que tudo isso não comprova a existencia desses seres.
    O documentário em si é bastante vago, fato, mas nos leva a pensar até onde nossa Evolução poderia nos levar. Ele faz alusão ao fina ligação que temos com outros mamiferos, me fazendo pensar na interação que temos com os Golfinhos, eles parecem querer sempre estar conosco quando estamos próximos. Alguns de nós, humanos, possuem uma certa ligação com o mar que chega a ser incomoda, de certa forma falando.
    É uma pena um tema como este ter sido tratado de uma forma tão especulativa, mas seria extraordinário(no minimo), encontrar essa “nova” espécie vagando pelos mares.
    Quem sabe!!!
    Meus parabéns pelo BLOG.
    Julio Cesar

    • rodveras says:

      Com certeza, encontrar uma criatura lendária ou mesmo um mamífero inteligente desconhecido dos cientistas seria realmente algo fabuloso. Disso eu não discordo. Realmente não me importo que as pessoas especulem e usem sua imaginação e dando-se a liberdade de pensar “E se tal coisa contecesse?”. Coo fã de literatura de ficção científica, acho que esta é uma das abordagens mais fascinantes. O problema, infelizmente, é jogar essas especulações da forma velada, como foi feito no prorama. sem deixar claro o que é fato, o que é especulação, os prós e os contras da conjectura e principalmente o que é liberdade artística. Deixar claro qual é a posição da comunidade científica também não seria ruim, mas aí vem o problema infelizmente programas como o ‘Sereias’ tem seu verdadeiro compromisso com o lucro e não com a informação.

      Muito obrigado pelo seu comentário. Volte sempre.

      Grande abraço,

      Rodrigo

      P.S. Sobre os OVNIs é bom lembrar que o termo em si, ‘OVNIs’ (‘Objetos Voadores Não Identificados’), é neutro em relação ao que eles realmente seriam e apenas um fração mínima dos cientistas que realmente lidam com astronomia e ciências aeroespeciais (e que portanto vasculham os céus praticamente todas as noites) levam a sério a hipótese de que os avistamentos de luzes estranhas e supostos objetos misteriosos que se movem supostamente de formas inesperadas sejam realmente evidências de visitas de espaçonaves alienígenas. Esta é uma diferença importante de ser feita. Isto é, separar o fenômeno em si das hipóteses realmente extraordinárias de que as causas deste fenômeno seriam realmente veículos de civilizações superinteligentes de outros sistemas planetários ou mesmo seus tripulantes. Outro ponto importante é lembrar que a maioira dos Ufólogos é formada por leigos (pelo menos, em ciências aerospaciais e astronomia) que, geralmente, estudam o fenômeno mais como um hobby, basicamente fazendo estudos de caso, ou seja, coletando relatos de pessoas e registrando seus próprios avistamentos e supostos contatos. Isto é, eles não angariam evidências físicas rigorosas e realmente convincentes que possam ser apresentadas ao resto da comunidade científica.

      Mais uma vez quero deixar claro que não tenho problemas com especular sobre a questão, analisando a possibilidade que vida alienígena realmente exista, sendo algo que mereça a atenção da comunidade científica (vide astrobiologia), ou mesmo especular e investigar a mais remota possibilidade de que vida alienígena inteligente, capaz de comunicação por radiofrequência e em alcance disso (vide o SETI), exista. Meu problema é com a ideia de visitas constantes de civilizações alienígenas, principalmente quando ela é conjugada com a ideia de que os governos e boa parte da comunidade científica conspire para ocultar tais evidências. Tal hipótese, frente ao que conhecemos sobre física aplicada, é tremendamente implausível e, sem evidências realmente extraordinárias e que possam ser examinadas a fundo e por vários investigadores independentes, dificilmente será levada a sério pela comunidade científica, especialmente pelos cientistas mais céticos que investigam os relatos de encontros e avistamentos e até hoje não acharam nada de realmente persuasivo neles. Então, embora creio que devamos nos manter abertos a possibilidades como a de que os OVNIs realmente sejam artefatos tecnológicos de outras civilizações, não acho que tenhamos boas evidências disso. Na realidade, nem perrto disso.

  9. Quero saber sobre os depoimentos, são atores? é isto? Não tem nenhum cientista ali não? E a gravação que mostra as autoridades chegando e levando o estudo?

    • rodveras says:

      Tudo é ficção. Como eu disse, o programa é um ‘docuficção’. Para personificar os cientistas, são dois grupos de autores (com exceção do lider da equipe do NOOA que só aparece um ator, já que ele não faz comentários ou dá depoimento, apenas aparece nas reconstituições), os que dão os depoimentos, fingndo serem cientistas de verdade, e os que participam das ‘reconstituições’ para dar a sensação de um real documentário que mostra os personagens reais e cenas ‘reatuadas’ usando atores e dublês. É fácil verificar isso, como eu disse. Basta voltar no filme, anotar os nomes dos supostos cientistas e as instituições dos quais eels fariam parte e as cadeiras as quais eles seriam responsáveis nas universidades que o programa afirma que eles seriam membros. Verifique no site das instrituições, no corpo de professores e pesquisadores (‘staff’ ou ‘faculty’) e você não encontrará nenhum deles listados. Pode procurar em portais de periódicos on line como pubmed e web of science ou mesmo google scholar e veja se eles tem alguma publicão com os nomes deles e nas áreas nas quais eles seriam especialistas. Vc também não vai encontrar nenhim deles. Talvez até encontre homônimos, mas muito provavelmente com outras nacionalidades e trabalhando em outras áreas, pois os nomes nã são muito incomuns. Então, a menos que vc acredite em uma fabulosa conspiração que apesar de ter conseguido apagar os nomes e as carreiras de tantos cientistas do mapa, mesmo assim, deixou passar um ‘documentário’ que passa duas vezes por ano no Animal Planet, isso deveria ser mais do que suficiente para mostrar o que estou falando. No próprio programa há a menção dele ser ficção (apesar de existr um som misterioso chamado bloop, mas que é muito mais simples do que o mostrado no programa, e de existirem encalhamentos de baleias, mas não o descrito no programa) e das instituições citadas não terem nada a ver com ele. As cenas com os ‘agentes do governo’ são todas ficção. Só são mostrados atores e figurantes. Para mais informações siga os links que estão do post e os que estão nos outros posts linkados.

      Além dos links que postei no artigo, aconselho esses outros também:

      http://www.snopes.com/photos/supernatural/mermaids.asp
      http://www.smh.com.au/opinion/blogs/sceptic-science/mermaids-and-demons-science-on-the-box-20110413-1ddly.html
      http://tv.nytimes.com/2012/05/26/arts/television/mermaids-the-body-found-on-animal-planet.html?_r=0
      http://theclicker.today.com/_news/2012/05/30/11955621-were-you-fooled-by-animal-planets-mermaid-special?lite

      Mas sugiro, principalmente, que vc leia a notícia da própria página de notícias do canal discovery, o ‘discovery news’, que também é responsável pelo Animal Planet, em que afirmam que o programa era ‘ficção científica’:

      http://news.discovery.com/history/noaa-mermaids-120629.htm

      Abraços,

  10. Adriana says:

    Acho que toda vez que transmitirem esse documentário alguém vai parar aqui…

    Assisti na terça, e realmente, em nenhum momento eles dão minimamente a parecer que se trata de uma encenação, é como se fosse um documentário de verdade. Comecei a ver na metade e achei estranho que uma descoberta de tal magnitude (provas da existência de um macaco aquático) ser tão pouco divulgada. Alguma coisa tinha que estar errada… Achei que talvez os tais cientistas tinham revisado os resultados, após a realização do documentário, e visto que tinham errado em algum lugar… Affe, muita malandragem de quem bolou e de quem transmiti essa peça de ficção.

    Ainda bem que o seu blog aparece na primeira página do google quando é feita a pesquisa sobre o tema rsrsrs

    • rodveras says:

      Realmente, o maior problema com este programa é o que ele não diz. Ao não deixar claro que é uma obra de ficção, inspirada na biologia de mamíferos marinhos e em teorias especulativas sobre a evolução humana, ele acaba por passar uma falsa impressão às pessoas mais desavisadas.

      Mas seus instintos e seu raciocínio estavam corretos, uma descoberta de tal magnitude não teria deixado de aparecer na mídia, bem antes de fazem um documentário sobre ela. Haveriam indícios na internet, como notas e releases de imprensa, além de comentários nas páginas de revistas de divulgação científica, como National Geographic e Scientific American, sem mencionar que algum link para algum dos artigos dos supostos cientistas teria aparecido. Por fim, seria muito estranho que uma conspiração que consegue ocultar tantas fontes diferentes de informação, inclusive apagando os registros dos cientistas, ao mesmo tempo, não conseguisse impedir a produção e veiculação de um documentário como aquele. :)

      Fico feliz que você tenha achado o meu post e ele tenha sido útil para você.

      Grande abraço e obrigado por comentar aqui,

      Rodrigo

  11. Fábio says:

    Boa tarde, eu achei seu blog hoje e ontem assisti aos documentários. Foi bem esclarecedor eu posts e as discussões, mas eu acreditei também, e, eu me senti idiota. Eu entendi que as animações e a forma que deram às sereias era bem fake.
    O que induz quem asiste ao erro é justamente eles dizerem que “todos os depoimentos foram preservados”. Ainda que sejam atores, deram a entender que de fato tudo que foi falado pelos “cientistas” era verdade. Achei muito desonesto.

    • rodveras says:

      Não se sinta um idiota. Como vc percebeu, eles usam de uma série de estratagemas para tornar a ideia superficialmente convincente. Caso você não tenha o hábito de se informar por meio de fontes primárias, ou seja, os artigos dos próprios cientistas, e tenha um certo traquejo na área, não é muito difícil cair no conto do Animal Planet.

      As pessoas simplesmente não vão esperam que um canal de documentários de história natural irá pregar este tipo de peça nelas. É por isso que, como vc, considero a estratégia deles desonesta e nada respeitosa com os telespectadores.

      Grande abraço e obrigado por vir aqui comentar,

      Rodrigo

  12. claudio says:

    Boa noite, faz algum tem que o Discovery anuncia esse programa “Sereias: novas evidências”, fiquei estranhamente curioso e resolvi pesquisar um pouco (apesar se ser totalmente leigo no assunto – sou formado em adm e, digamos assim, ateu por convicção) achei que era fake totalmente, mas como era o Discovery anunciando dei um certo crédito, antes de ver o programa li os teus posts, e creio que estou economizando o meu tempo ao nao ver este especial. Obrigado pelos esclarecimentos.

    PS.: à pessoa que falou sobre religião em um dos comentários, por favor se vc acredita que deus criou o homem num dia da semana e depois descansou… as sereias estão lá te esperando.
    PS2.: extremamente decepcionado com o Discovery Chanel!

    Grande abraço

    • rodveras says:

      Fico contente que os meus posts tenham ajudado vc em alguma coisa. O DC também tem me decepcionado, uma vez que é cada vez mais claro que eles querem é audiência e só. Eles não se importam em confundir e enganar os telespectadores. Eles estão indo para o fundo do poço mesmo. Este mês nos EUA foi ao ar um outro pseudodocumentário, desta vez sobre o Megalodon. Fiz uma pequena postagem sobre este novo programa em outro blog em que colaboro.

      http://ogiq.blogspot.com.br/2013/08/agora-e-vez-do-megalodon.html

      Abraços,

      Rodrigo

  13. Fernando says:

    Entendo se todos os indícios principalmente vídeos evidenciados nos programas (Animal Planet e Discorery são falsos, ficamos somente na possibilidade a qual nos persegue desde a antiguidade sobretudo através da mitologia. Muito embora a mitologia as vezes sobre alguns aspectos retrate uma verdade mal entendida.

    • rodveras says:

      Acho que seu comentário ficou meio cortado.

      Existem explicações mais prosaicas para explicar os relatos de ‘avistamentos’ destes seres mitológicos e de outros que vão desde o identificação errônea de certos mamíferos aquáticos (como os sirenídeos, por exemplo, que já foram mais abundantes nos mares), passando por, em algumas ocasiões, quem sabe, pelo avistamento de mulheres pescadoras de pérolas (ou simplesmente forrageando), em mares orientais, até o desejo intenso que certas criaturas fossem verdadeiras, após meses no mar a fio, situações que poderiam predispor algumas pessoas a alucinações. Os seres humanos são vasculhadores de padrões natos e tendemos a preferir aquelas interpretações que são mais familiares e mais confortáveis, condizendo o máximo possível com nossas noções prévias, mesmo que tenham algumas propriedades contra-intuitiva.

      ‘Criar’ seres quiméricos baseados na mistura de partes humanas e animais parece ser um tema comum em nossa história. Neste sentido concordo que os mitos e as lendas, muitas vezes, refletem de maneira distorcida a realidade experiencial dos povos e culturas onde estas narrativas e personagens e originaram.

      Obrigado pelo seu comentário.

      Abraços,

      Rodrigo

  14. fernando freitas says:

    O problema é pensar que tudo é lenda e mito como deuses e sereias; O buraco é mais embaixo.
    E MERDA CONSPIRATÓRIA QUE NÃO ACABA SEMPRE VISANDO LUCROS E DOGMAS RELIGIOSOS ENVOLVIDOS E BLÁ, BLÁ, BLÁ.
    O MUNDINHO É BEM DIFERENTE DAQUELE QUE APRENDEMOS NA ESCOLINHA.

  15. fernando freitas says:

    Sempre falam de DEUSES mas nenhum merda pesquisa ou se pergunta QUE SERIAS TAIS DEUSES?.
    Quando surge pesquisadores sérios que estudam sobre esses assuntos são ridicularizados . POR QUEM ?
    Pelos que tem preguiça e medo porque toda a historia teria que ser revista, e terá que ser revista seja hoje ou amanhã.
    VIVEMOS UMA MENTIRA.

  16. Nenas says:

    Boa Noite. Evidentemente assisti a esse documentário (ou mockumentary) hoje de madrugada pela Animal Planet. Fiquei, como todos, intrigada com a história apresentada. Não sou bióloga, nem cientista, sou médica e também escritora de ficção científica, e portanto, leio demais sobre física quântica, paradoxos e curiosidades. Como, a princípio, pareceu-me uma história plausível, resolvi pesquisar. Encontrei todo tipo de site e opiniões, uns a favor e outros contra. Como todo médico tem uma boa quantia de ceticismo, não pude deixar de notar falhas, como a falta de gordura subcutânea mas criaturas – conforme você cita em um dos cometários- , ou a persistência de nariz ( o que nos levaria a crer que as criaturas ainda utilizam as vias aéreas superiores), e a presença de uma caixa torácica com pulmões pequenos dentro, o que deveria ser exatamente o contrário. Porém, em um dos sites, achei esse video da discovery, gravado ao vivo com o suposto Dr. Robertson:

    Seria a entrevista verdadeira? Fiquei confusa que um canal que publicou referências de que era uma obra puramente de ficção, gravasse uma entrevista dessas.
    Você saberia alguma coisa sobre isso? Como curiosidade mesmo… Já que não conheço qualquer pessoa especialista para realmente falar sobre o assunto… E quem sabe transformá-lo num próximo livro?
    Obrigada!!!!

    • rodveras says:

      Oi, Nenas. O tal ‘Dr. Robertson’ é um ator e, mais uma vez, o programa é todo ficcional. Este é outro pseudo-documentário do AP, chamado ‘Sereias: Novos Indícios’ que é a continuação do anterior, ‘Sereias’. Desta vez, ao invés de um ‘documentário científico’, eles usam como base para a narrativa ficcional um programa especial ao vivo de entrevistas. Pelo jeito ele pega como gancho as recentes filmagens de uma lula gigante por um submerssível de pesquisa e as entrevistas em programas de TV dos cientistas que participaram da expedição.

      O Animal Planet e o Discovery Channel não estão tendo quaisquer ṕudores em confundir e desinformar seus telespectadores. Vários cientistas e divulgadores da ciência estão bastante indignados com a postura desses canais. É uma pena. Eu escrevi sobre este outro programa em outra postagem. Talvez vc se interesse em lê-la:

      http://calmariatempestade.wordpress.com/2013/05/29/la-vamos-nos-de-novo-as-incansaveis-sereias-que-nao-morrem-jamais/

      Bem, eles já fizeram outro. Só que desta vez o programa é n DC e é sobre o Megalodon. Repare no sotaque de um suposto vídeo do tal megalodon avistado pela guarda costeira no litoral brasileiro. Eles estão passando dos limites. :)

      http://calmariatempestade.wordpress.com/2013/09/01/agora-e-a-vez-do-megalodon/

      Espero ter ajudado,

      Grande abraço,
      Rodrigo

  17. Lucihalmen84 says:

    Vi o documentário durante o vôo e fiquei muito intrigada. Cheguei em casa e imediatamente comecei a pesquisar o assunto. Nao sou bióloga e muito menos cientista e com isso acho q nao teria capacidade para julgar se as teorias são plausíveis ou nao. Mas o que me deixou completamente pasma foram os vídeos que de certa forma mostravam “a criatura “, como um vídeo de um barco pesqueiro que supostamente pegou a criatura e outro vídeo em que e feita uma entrevista meio q mesa redonda com o cientista da noaa e um biólogo dinamarquês que filmou a criatura . Isso tudo também eram fake ?

  18. Aécio says:

    Ridícula essa apelação do Discovery, eu cai que nem um pato, mas depois de examinar corretamente acabei vendo que rui enganado, rs,,,,

    Como diz a bíblia em João 8: 44 vocês têm por pai ao Diabo, e quer satisfazer os desejos de vosso pai, ele é homicida desde o princípio e não se firmou na verdade, pois é o “PAI” da mentira.

    Baseando-me desse versículo e compreendendo a verdade que tem ai… eu e minha esposa bloqueamos todos os canais do Discovery pra sempre, por tentativa de homicídio da nossa lucidez.

  19. Aline says:

    Blog fantástico , estava assistindo agora o tal documentário , fascinada pelo pedaço de osso de baleia usado como arma rudimentar, pensei, preciso saber mais sobre isso , venho para o Google encontro esse blog fantástico e então descubro essa palhaçada toda … Parabéns para o interprete do dr Poul , o cabra é bom !

    • rodveras says:

      Obrigado, Aline. Fico muito feliz que você tenha gostado do blog e dos artigos sobre os programas do Animal Planet. Imagino que deva ser muito frustrante mesmo constatar que os produtores passaram do ponto e confundiram mais do que informaram. Esse é um problema sério, pois os canais de documentários estão ficando cada vez mais ficcionais e sensacionalistas.

      Grande abraço,

      Rodrigo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s