O que é a consciência?

Saiu hoje no Bule Voador um texto traduzido por mim e pelo André Rabelo.

Fonte: Psychology Today
Autor: Paul Thagard*
Tradução: Rodrigo VérasAndré Rabelo

Pessoas experimentam percepções como azul, sensações como dor, emoções como ­felicidade, e pensamentos como acreditar que a primavera finalmente chegou. Será que a psicologia e a neurociência serão um dia capazes de explicar como as pessoas têm esses tipos de consciência?

A psicologia e a neurociência têm feito grandes progressos na explicação de muitos processos mentais, como resolução de problemas, aprendizagem e uso da língua. Mas muitas pessoas ainda têm a intuição de que, não importa o quanto a ciência cognitiva progrida, ela ainda será incapaz de lidar com o mistério da consciência. Nesta visão, todos nós temos uma compreensão básica da experiência consciente através de nossos próprios episódios de percepção, sensação, emoção e reflexão. Mas existe um abismo explanatório intransponível que impede a ciência de trazer a consciência para dentro do seu âmbito.

A ciência seria de fato incapaz de explicar a consciência se as experiências mentais fossem propriedades de almas imateriais, cujas operações permaneceriam totalmente misteriosas a partir da perspectiva dos mecanismos que os físicos, químicos, biólogos e psicólogos utilizam para explicar o que acontece. Mas existem insuficientes evidências que sustentem a visão de que mentes são qualquer coisa além de cérebros, desta maneira a perspectiva não-materialista não parece gerar uma barreira para a explicação da consciência.

Outra possibilidade é que a consciência seja muito complicada para ser compreendida por mentes humanas, que evoluíram para encontrar comida, água, abrigo e parceiros em ambientes simples. Mas essas mesmas mentes foram capazes de criar maravilhosas ferramentas culturais, tais como a linguagem escrita, a matemática e instrumentos científicos que vão desde os telescópios às máquinas de imageamento cerebral. Portanto, seria prematuro, por uma escala de séculos, desistir da tentativa de encontrar explicações científicas para os processos mentais, incluindo a consciência.

De fato, importantes progressos estão sendo alcançados, tanto experimental quanto teoricamente, na exploração dos mistérios da consciência. Os que duvidam disso devem verificar os sites de alguns dos principais pesquisadores da consciência, que incluem:

António Damásio, em L.A.

Stanislas Dehaene, Paris

Christof Koch, Pasadena

Giulio Tononi, Madison

Através do trabalho desenvolvido por eles e por outros, estamos começando a vislumbrar como a consciência poderia ser uma propriedade mental que emerge de um processamento complexo envolvendo bilhões de neurônios em dezenas de áreas cerebrais que interagem.

Em meu livro, O Cérebro e o Significado da Vida, esboço de um relato de como um tipo de consciência – a experiência emocional – pode surgir por meio das interações de múltiplas áreas do cérebro que lidam simultaneamente com as representações perceptuais de situações externas, avaliações cognitivas da significância dessas situações para os objetivos pessoais de alguém e percepções internas dos estados corporais. Nesta perspectiva, a consciência não é uma função especial da mente, mas sim o resultado de processos interativos que unem as percepções e avaliações. Como tais ligações e interações ocorrem é um tópico corrente de investigação na psicologia e na neurociência.

Assim, vejo razões para entusiasmo com as perspectivas de uma teoria científica da consciência. Pode levar décadas ou mesmo séculos antes que tenhamos boas explicações de todos os diferentes tipos de experiências que surgem na percepção, sensação, emoção e reflexão. Mas as peças do quebra-cabeças estão começando a surgir, e será muito emocionante quando os cientistas conseguirem colocá-las todas juntas. Então poderemos dizer com confiança que a consciência é um processo cerebral.


*Paul R. Thagard é professor de Filosofia e Diretor do Programa de Ciência Cognitiva da Universidade de Waterloo, no Canadá. Seus livros incluem The Brain and the Meaning of Life, Hot Thought: Mechanisms and Applications of Emotional Cognition, and Mind: Introduction to Cognitive Science.

About rodveras

I'm a biologist and science writer who loves philosophy and sciences.
This entry was posted in Ciência, Ciências cognitivas, Filosofia, Filosofia da Mente, Neurociências. Bookmark the permalink.

3 Responses to O que é a consciência?

  1. rodveras says:

    A pessoa na foto à esquerda do texto é o filósofo australiano David Chalmers (e não o autor do texto, Paul R. Thagard), um dos que consideram a consciência um mistério insolúvel, pelo menos em relação a questões como os Qualia e tudo mais relacionado ao que ele chama de “problema difícil” (‘Hard Problem’).

  2. Pedro says:

    Rodrigo, eu acho que você vai gostar desse texto http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1692416/pdf/9854259.pdf È do Damásio……

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s