Telefarmacologia?

Alguns cientistas relataram em um artigo da revista Science terem conseguido ativar a liberação de insulina em camundongos devidamente ‘engenheirados’ para tanto através de sinais de rádio de baixa frequência. Os pesquisadores, que admitem que existem formas mais simples de se fazer isso, entretanto, apresentaram os relatos do protocolo e dos resultados experimentais como uma prova de conceito cujas aplicações podem ser muitas mesmo que não envolvam diretamente a terapia da diabetes em seres humanos.

Os autores combinaram a nanotecnologia e a bioengenharia ao utilizarem nanopartículas ligadas a uma proteína de membrana, TRPV1, que forma um canal sensível temperatura, por meio de anticorpos revestidos nano-partículas de óxido de ferro que podem ser aquecidos por campos magnéticos de baixa frequência. O TRPV1 é um receptor de vanilóide, é um dos seis canais que compõem a superfamília dos receptores de potenciais transientes (TRP), tendo sido o primeiro membro de mamíferos a ser descoberto. O receptor é formado por quatro subunidades protéicas idênticas, cada uma com seis segmentos transmembrana, S1-S6 com um poro aquoso entre e entre o quinto e sexto segmento, funcionando como um canal para a passagem de íons de carga positiva, cátions, não-seletivo permeável ao cálcio. Além da capsaicina e do RTX o seu principal ativador de abertura são as temperaturas acima dos 420.C, portanto, tendo um papel chave na detecção e controle da temperatura corporal e na nocicepção associada a queimaduras e sensação de escaldação.

Figura criada usando o software PyMOL e um modelo de homologia do canal ionico TRPV1 com base num modelo de homologia publicado em Brauchi S, Orta G, Mascayano C, Salazar M, Raddatz N, Urbina H, Rosenmann E, Gonzalez-Nilo F, Latorre R (June 2007). “Dissection of the components for PIP2 activation and thermosensation in TRP channels”. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 104 (24): 10246–51. DOI:10.1073/pnas.0703420104. PMID 17548815. http://en.wikipedia.org/wiki/File:Trpv1_pip2_bilayer.png – Data: 02/11/2008- Autor:Boghog2.

Esses anticorpos revestidos com nanopartículas de óxido ferro ligavam-se a versão modificada e sensível à temperatura desse canal iônico o TRPV1 – localizado nas membranas das células tumorais enxertadas nos camundongos que cresceram sob suas peles ao, e que, ao serem submetidas ao campo magnético (gerado por um dispositivo semelhante a uma máquina em miniatura de ressonância magnética) – e aqueciam-se até a temperatura de ativação do canal, 42°C, por fim, induzindo sua abertura que permitia o influxo de cálcio. O influxo desses íons, então, estimulavam a síntese e liberação de insulina induzidas por um elemento promotor genético ‘bioengenheirado’ sensível ao íon Ca++. Depois de cerca de 30 minutos da exposição às ondas de rádio os pesquisadores registraram o aumento dos níveis de insulina dos animais e a concomitante redução nos níveis de açúcar sanguíneo.

Os responsáveis pelo estudo também relataram que conseguiram fazer com que as células sejam sintetizassem nanopartículas de ferritina geneticamente codificadas e liberação induzível de insulina, o que sugere que esta estratégia é bastante flexível e poderosa.

Mas além disso, durante o estudo, os autores puderam constatar que o aquecimento era especifico das regiões onde estavam as nanopartículas, não se espalhando para áreas vizinhas e também não causando danos às células alvo que liberavam insulina como resposta ao tratamento. Por isso, a principal vantagem desse tipo de abordagem é que as ondas de rádio podem penetrar profundamente através de tecidos e ativar apenas os alvos revestidos com as nano-partículas, dirigidas por anticorpos específicos as proteínas de membrana alteradas geneticamente, sem prejuízos, oferecendo, assim, inicialmente uma modelo alternativo de investigação in vivo bem menos invasivo e, quem sabe, no futuro, podendo ser realmente desenvolvido em uma estratégia terapêutica ou de diagnóstico específica.

___________________________________________

Referências:

Crédito das Figuras:

FRIEDRICH SAURER/SCIENCE PHOTO LIBRARYRICHARD PRIDEAUX/SCIENCE PHOTO LIBRARY

VISUAL SCIENCE/SCIENCE PHOTO LIBRARY

About rodveras

I'm a biologist and science writer who loves philosophy and sciences.
This entry was posted in Biotecnologia, Ciência, Farmacologia, Genetica. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s